Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 8 de março de cada ano, a União das Associações de Moradores de Cataguases – UAMC, promoveu nesta sexta-feira, 13 de março, a entrega de certificados e rosas  na sala dos Conselho Municipal para homenager as mulheres cataguasenses por esta data tão representativa no âmbito nacional.

Participaram do evento o presidente da UAMC, Cláudio Amâncio,  a advogada Elizângela Barros, o jornalista Jorge Fábio, o empresário Oder Ferreira, presidentes de associações de moradores, representantes do movimento negro, empresários e comerciantes do município.


Para o presidente da UAMC, Cláudio Amâncio, a solenidade é uma iniciativa simples, mas que ressalta a importância da mulher na sociedade como mães, esposas e principalemente trabalhadoras.


A advogada Elizângela Barros, presidente do PDT  em Cataguases, e pré-candidata a prefeita nas eleições deste ano, aproveitou o público feminino presente no local para convocar as mulheres a participarem mais ativamente da vida política do município. Em sua fala a advogada ressaltou  também que hoje as mulheres competem em condições de igualdade no mercado de trabalho e o reconhecimento deve vir com a equiparação salarial em muitos casos e profissões estão defasados em relação aos homens.

AS HOMENAGEADAS FORAM:

Ana Maria Almeida – Evangelizadora no Bairro Miguel
Ângela Maria Valentin – Membro da Pastoral da Criança e Pastoral da Saúde
Carla Aparecida Ferreira – Presidente do Conselho das Mulheres Rurais de Vista Alegre
Daniela Resende Coelho – Secretária Municipal de Saúde
Edime Terezinha da Silva Bento -  Matriaca do Bairro Paraíso
Isaura Cristina da Silva Ferreira -  Associação de Moradores do Bairro Jardim
Lúcia B. Ferraz Lima – Advogada e Coordenadora do Craz
Luciléia Féliz – Cuidadora de crianças da Creche Cantinho Feliz
Kátia Fernanda Almeida Vaz – Secretária de Apoio dos Conselhos Municipais
Maria Angela Girardi – Médica e Vereadora no Município de Cataguases
Maria Celeste Dutra Ferreira – Congregação Católica
Márcia Cristina dos Santos – Associação da Vila Reis
Maria Imaculada Justo Vidal -  Assessora Parlamentar na Câmara Municipal de Cataguases
Maria José Eliotério – Homenageada pela Associação de Moradores do Bairro Paraíso
Neuza A. Barros Rodrigues – Coordenadora da Comunidade N.S. da Piedade do Bairro Leonardo
Neusa da Rocha Tosta – Públicitária
Rita Suely Bento – Movimento Negro
Rosana Cláudia Martins Santiago

HISTÓRIA DO 8 DE MARÇO

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.