O secretário de tecnologia da informação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Giuseppe Janino, afirmou nesta 6ª feira, 29 de novembro, que 2 dos 13 planos de ataque ao sistema de urnas eletrônicas obtiveram êxito depois de teste de hackers. Mas as invasões não comprometem o sigilo do voto ou a segurança do processo eleitoral, de acordo com ele.

Os planos de ataque foram controlados pelo próprio TSE durante teste público de segurança. Em nota à imprensa, a Corte eleitoral disse que vai trabalhar para sanar a vulnerabilidade a tempo das eleições municipais de 2020.

O teste contou com 22 investigadores, divididos em 5 grupos e 3 investigadores individuais. O grupo que conseguiu identificar as falhas foi composto por investigadores da Polícia Federal.

Em 2020, os autores dos dois planos serão chamados para retornar ao TSE para verificar a efetividade dos reforços de segurança que serão implementados. Outras vulnerabilidades apresentadas em edições anteriores dos testes foram sanadas neste ano. Para o tribunal, esse avanço mostra “a melhoria contínua” do sistema eletrônico.