Um novo pedido para investigar possíveis irregularidades praticadas pelo prefeito de Cataguases Willian Lobo de Almeida (foto), no caso envolvendo a contratação da empresa Innovar Consultoria em Medicina do Trabalho, foi aprovado nesta segunda-feira, 13 de maio, pelo Legislativo Municipal.
O caso volta a debate novamente na tentativa de encontrar irregularidades na contratação de empresa Innovar, e consequentemente, abrir o processo de cassação de mandato do prefeito Willian Lobo de Almeida.

Após votação em plenário, os vereadores, decidiram pela aceitação da denúncia e a criação de uma Comissão Processante, que teve dez votos favoráveis e cinco contrários.  Votaram contrários ao acatamento da denúncia apenas os vereadores Michelângelo Correa (PSDB), Vinicius Machado (DEM), Mauro Ruela (PTC), Gilmar Cangica (PSDB) e Betão do Areão (PSDB), que integram a base governista na Câmara.


A grande surpresa, foi o voto favorável à aceitação da denúncia,  do vereador Henrique Thurran, do PRTB, partido aliado do prefeito Willian, que tem como filiado o vice-prefeito Tita Lima, que recentemente deixou o PSB.

Na sessão de hoje, o petista, Geraldo Majella Mazzini, (foto) primeiro suplente de vereador na coligação PCdoB/PT, nas eleições de 2016,  foi empossado exclusivamente para substituir o presidente Ricardo Geraldo Dias (PCdoB), que ficou  impedido de votar conforme determina o Regimento Interno do Legislativo Municipal. Geraldo Majella poderá participar de todas as sessões que forem convocadas para tratar desse assunto. E também, como determina o Regimento Interno, o vereador Paulo Milane (PT), irá presidir as sessões que envolve a Comissão Processante, no caso Innovar.

O processo de investigação contra o prefeito Willian Lobo já se arrasta desde maio de 2018, quando a primeira denúncia foi feita pelo vereador Ricardo Dias (PCdoB), que decidiu pelo arquivamento da denúncia após transcorrido o prazo de 90 dias para conclusão do caso.

Desta vez, a denúncia foi feita pelos eleitores Eduardo Antunes Barcelos, Gilberto Feliciano, Beatriz Rodrigues dos Santos e Elisabete Peixoto Caetano, que após a aprovação em 23 de abril, do Projeto de Resolução, de autoria do vereador Hercyl Neto (PROS), que alterou o inciso I do artigo 336 do Regimento Interno, e que permite o acatamento de denuncias através de qualquer cidadão cataguasense.

A Comissão Processante que investigará o caso terá com presidente o vereador Marcos Costa (PSD), o relator será o vereador Mauro Ruela (PTC), e Betão do Remo (PSB) como membro, e  deverá apresentar o relatório final em 90 dias para votação em plenário.

Se o texto final apresentar provas incontestáveis de que o prefeito municipal cometeu atos irregulares na contratação da empresa Innovar, a comissão deverá pedir em plenário a cassação do chefe do executivo.

Para que o plenário da Câmara Municipal aprove o pedido de cassação do prefeito Willian Lobo, serão necessários o mínimo de dez votos.