O prefeito municipal, Willian Lobo de Almeida, declarou neste sábado (13), durante a abertura da 9ª Conferência Municipal de Saúde, que o primeiro passo para “salvar” a Santa Casa de Misericórdia de Cataguases  é elaborar um plano de gestão, caso contrário, todo o recurso a ser destinado ao hospital nunca será suficiente para resolver as demandas.

O chefe do executivo municipal chegou a sugerir que o Hospital de Cataguases contrate com urgência um profissional para cuidar da gestão financeira da Santa Casa de Miseriórdia.


 Todos em Cataguases sabem que eu participei da criação da rede de urgência e emergência e que ela foi assinada em comum acordo com a União, o Estado de Minas, o município, e o Hospital de Cataguases. Agora, quando o Hospital apresenta um papel e diz estar entregando o o pronto socorro por falta de recursos financeiros, eu digo que é mentiroso o argumento que falta dinheiro para gerir o pronto socorro do Hospital de Cataguases. A prefeitura repassa para o Hospital R$ 352 mil reais, o Estado repassa R$ 100 mil, a união repassa R$ 100 mil, e mais R$ 120 mil de produção. Um total de R$ 672 mil reais.  O problema  junto ao Hospital de Cataguases, não é por falta de recursos financeiros. O problema é falta de gestão para gerir os recursos que são destinados para lá. O Hospital de Cataguases precisa mudar sua postura e apresentar uma planilha dizendo onde são gastos os repasses financeiro para o pronto socorro”, disse o prefeito Willian.

O prefeito Willian anunciou ainda que com o apoio da Câmara Municipal o repasse para o Hospital de Cataguases passará dos 352 mil para 386 mil reais. Um aumento próximo dos  10%  em mais uma tentativa de manter o pronto socorro no Hospital de Cataguases.